Viajar com os amigos no Ano Novo, pode?

Chegou a hora da virada do ano. A data não é considerada tão familiar quanto o Natal pela maioria das pessoas.

Muita gente viaja e grande parte dos adolescentes também tem vontade de fazer algo diferente no Réveillon. Mas qual é o momento certo para os pais liberarem os teens para viajar com os amigos?

Para a psicóloga especialista em adolescentes Fabiana Luckemeyer, tudo depende da maturidade do jovem (leia texto na página ao lado).

Alguns teens estão vivendo essa experiência pela primeira vez neste final de ano.

É o caso de Mateus Oliveira, que completou 18 anos no mês passado. Ele vai passar seu primeiro Ano Novo longe da mãe.

Ele conta que ela ficou um pouco preocupada quando ele pediu para ir viajar com os amigos. “Como é mãe, ela perguntou com quem eu vou, onde ia ficar, se estava tudo certo mesmo para ir e essas coisas”, afirmou.

Mas Mateus ressalta que ela o deixou ir sem nenhum problema. Isso porque ele diz que nunca deu trabalho à mãe e, por isso, mesmo preocupada, ela não negaria que o filho fosse se divertir com os amigos, ainda que se trata de uma data especial.

Experiência. Mateus foi para a praia no dia 26, numa galera com 14 pessoas. Todas jovens. Eles ficam em Caraguá por oito dias.

Na turma, ele não é o único a passar longe dos pais o Réveillon. Rafael Sanches, de 17 anos, também passará por essa experiência.

Já Vitor Camargo, de 20 anos, que também faz parte da galera, passa seu terceiro ano novo em uma viagem só com os amigos.

“Antes eu passava com a família na minha cidade (Paraibuna), só que lá é parado demais para os jovens. No primeiro ano que fui, meus pais ficaram com receio e ligavam todo dia”, contou ele. 

“Hoje em dia meus pais são mais de boa”, completou.

Psicóloga: adolescente tem de merecer viagem

Passar o Ano Novo com os amigos é o desejo de muitos adolescentes, mas nem sempre os pais autorizam uma viagem sem um adulto responsável. Segundo a psicóloga especialista em adolescentes Fabiana Luckemeyer, não tem muita idade para definir se o jovem está ou não preparado para viajar sem os pais.

“O que vejo é que depende muito da forma como os pais são criados. Se foi com uma educação mais liberal ou mais rígida”, explicou.

A especialista diz que a experiência pode ser positiva, fazendo com que o jovem adquira mais autonomia e tenha uma vivência diferente.

Idade. Ela afirma também que, no geral, muitos pais começam a liberar os filhos quando eles têm 16 ou 17 anos e, aos 18, conquistam uma liberdade ainda maior, mesmo sendo um fator psicológico.

Fabiana indica que os responsáveis deixem os adolescentes viajar com os amigos se eles forem confiáveis. 

“Se o adolescente quer que pai confie nele, tem que mostrar maturidade.”

“Tem que agir com meritocracia. Você foi responsável durante o ano? Se sim, então eu vou te dar esse bônus. Os pais podem agir assim”, disse.

Ela só orienta que, para os pais ficarem tranquilos, peguem informações sobre o local aonde o filho vai e sobre as pessoas que vão com ele.

Com a família. Mas se o jovem vai passar o Ano Novo com a família, também deve ver o lado bom disso.

Estar com os pais e com outras pessoas que o querem bem também pode ser muito divertido. “Curta a família. A data também é gostosa para passar com a família”, lembrou a psicóloga.